quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Não basta ser pai, tem que participar!



Próximo domingo, dia 14, comemoramos o Dia dos Pais! A data não tem tanto burburinho como o Dia das Mães, mas é igualmente comemorada entre as famílias. Muitos pais são taxados por serem substituíveis, por não participarem cotidianamente da vida dos filhos, por darem menos carinho, enfim. Mas a verdade é que isso se trata de uma generalização. Há muitos pais que amam, cuidam, dão carinho, participam igual ou mais do que uma mãe. Esses sim, são pais de verdade, cumprindo o papel a eles destinado e merecendo todas as honras desse dia.

Meu pai, foi e é meu herói.
Ele faleceu quando eu tinha 15 anos (para mais detalhes, clique aqui) e até hoje me recordo dos seus abraços, do seu cheiro, das suas brincadeiras, das suas palavras, do seu carinho. Meu pai foi um PAI.

Ano passado, no dia dos pais, eu estava com quase 5 meses de gravidez e já comemoramos a data esperando a vinda da nossa estrelinha. Meu marido já era pai, mas acredito que ainda não se sentia assim. Esse ano, nossa estrelinha estará comemorando conosco essa data mais do que especial. Meu marido também é um PAI com todas as letras para Kamille. Desde minha gravidez, ele sempre foi muito atencioso e carinhoso. Me acompanhava em todas as consultas do pré-natal e esteve sempre presente. Menos na hora do nascimento de Kamille, pois ele tem aversão a sangue. Quando Kamille nasceu, e até hoje, ele tem sido muito prestativo e carinhoso, comigo e com ela. Quando necessário, ele arruma a casa, faz comida, coloca Kamille pra dormir, troca fraldas, brinca, dá carinho... é um verdadeiro bombril. (brincadeirinha, amor!)
Brincadeiras à parte, tenho um marido que pedi a Deus (claro que vez ou outra discordamos de algo, discutimos e ficamos emburrados. Coisa de todo casal. Acredito que o casal que não briga é porque não é um casal de verdade!) e Kamille um pai maravilhoso. Ele é um dos que merecem todas as honras pela data tão especial que se aproxima. Queria poder dar o melhor a ele nesse dia; algo que se assemelhasse ao amor que ele nos dedica, mas sei que isso é impossível. Ano passado dei-lhe uma caneca de vidro escrita: O melhor pai do mundo. Parece até que eu estava prevendo como ele seria. Dei-lhe também uma cartinha (depois vou scannear e postar aqui) como se tivesse sido Kamille que tivesse escrito, mesmo ainda estando na minha barriga.
Esse ano será mais um presente simbólico, afinal a grana tá pouquíssima. Mas acredito que ele vá gostar. Domingo posto aqui o presente e se ele gostou ou não do que recebeu.

Beijos,
Mona e Mille.

3 comentários:

  1. Oie
    Brigadinha pela visita lá no blog!!! Que bom que sua família também é feliz!!! Temos que ser assim mesmo e os outros... bom são os outros!!! Lindo seu texto sobre os pais. Programei uma postagem para domingo. Beijos mil

    ResponderExcluir
  2. Parabéns a esses paizão!
    Com certeza mtos não são assim como o pai da Kamille...vc tem sorte amiga.
    Meu marido sempre foi um pai mto bom tb para nosso filho, super carinhoso. Mais não participava mto das trocas de fraldas, mamadeiras, banhos... tudo era comigo. Mais agora até q ele tem melhorado bastante, pois Henrique come melhor com ele e mtas vezes o filhote só quer o pai pra tudo, dar banho, dormir,brincar rs...( acho q por ele fazer todas as vontades, eu sou mais severa kk)

    Beijocas!

    ResponderExcluir
  3. Sylvia, com certeza estarei visitando o post de domingo. Dia mais que especial, não é?

    Paty, sou sortuda sim e não canso de agradecer a Deus. Meu marido só não dar banho nem mamar a Kamille, mas o resto ele faz muito bem. Que bom que seu marido mudou e é por isso que o Henrique está tão mais apegado a ele. Carinho nunca é demais, né?

    Beijão, meninas!

    ResponderExcluir

Eu e Kamille vamos adorar seu recadinho!!