sexta-feira, 28 de setembro de 2012

'Antes que elas cresçam'

Ontem li um texto tão lindo na página do Luciano Huck no facebook que me emocionei. E como não poderia deixar de ser, resolvi postá-lo para compartilhar e registrar esse texto tão belo.

E o título é 'Antes que elas cresçam' e que segundo o Luciano, foi escrito em 1987.

'ANTES QUE ELAS CRESÇAM'
(Affonso Romano de Sant'Anna)

Há um período em que os pais vão ficando órfãos dos próprios filhos.

É que as crianças crescem. Independentes de nós, como árvores, tagarelas e pássaros estabanados, elas crescem sem pedir licença. Crescem como a inflação, independente do governo e da vontade popular. Entre os estupros dos preços, os disparos dos discursos e o assalto das estações, elas crescem com uma estridência alegre e, às vezes, com alardeada arrogância.

Mas não crescem todos os dias, de igual maneira; crescem, de repente.

Um dia se assentam perto de você no terraço e dizem uma frase de tal maturidade que você sente que não pode mais trocar as fraldas daquela criatura.

Onde e como andou crescendo aquela danadinha que você não percebeu? Cadê aquele cheirinho de leite sobre a pele? Cadê a pazinha de brincar na areia, as festinhas de aniversário com palhaços, amiguinhos e o primeiro uniforme do maternal?

Ela está crescendo num ritual de obediência orgânica e desobediência civil. E você está agora ali, na porta da discoteca, esperando que ela não apenas cresça, mas apareça. Ali estão muitos pais, ao volante, esperando que saiam esfuziantes sobre patins, cabelos soltos sobre as ancas. Essas são as nossas filhas, em pleno cio, lindas potrancas.

Entre hambúrgueres e refrigerantes nas esquinas, lá estão elas, com o uniforme de sua geração: incômodas mochilas da moda nos ombros ou, então com a suéter amarrada na cintura. Está quente, a gente diz que vão estragar a suéter, mas não tem jeito, é o emblema da geração.

Pois ali estamos, depois do primeiro e do segundo casamento, com essa barba de jovem executivo ou intelectual em ascensão, as mães, às vezes, já com a primeira plástica e o casamento recomposto. Essas são as filhas que conseguimos gerar e amar, apesar dos golpes dos ventos, das colheitas, das notícias e da ditadura das horas. E elas crescem meio amestradas, vendo como redigimos nossas teses e nos doutoramos nos nossos erros.

Há um período em que os pais vão ficando órfãos dos próprios filhos.

Longe já vai o momento em que o primeiro mênstruo foi recebido como um impacto de rosas vermelhas. Não mais as colheremos nas portas das discotecas e festas, quando surgiam entre gírias e canções. Passou o tempo do balé, da cultura francesa e inglesa. Saíram do banco de trás e passaram para o volante de suas próprias vidas. Só nos resta dizer “bonne route, bonne route”, como naquela canção francesa narrando a emoção do pai quando a filha oferece o primeiro jantar no apartamento dela.

Deveríamos ter ido mais vezes à cama delas ao anoitecer para ouvir sua alma respirando conversas e confidências entre os lençóis da infância, e os adolescentes cobertores daquele quarto cheio de colagens, posteres e agendas coloridas de pilô. Não, não as levamos suficientemente ao maldito “drive-in”, ao Tablado para ver “Pluft”, não lhes demos suficientes hambúrgueres e cocas, não lhes compramos todos os sorvetes e roupas merecidas.

Elas cresceram sem que esgotássemos nelas todo o nosso afeto. 

No princípio subiam a serra ou iam à casa de praia entre embrulhos, comidas, engarrafamentos, natais, páscoas, piscinas e amiguinhas. Sim, havia as brigas dentro do carro, a disputa pela janela, os pedidos de sorvetes e sanduíches infantis. Depois chegou a idade em que subir para a casa de campo com os pais começou a ser um esforço, um sofrimento, pois era impossível deixar a turma aqui na praia e os primeiros namorados. Esse exílio dos pais, esse divórcio dos filhos, vai durar sete anos bíblicos. Agora é hora de os pais na montanha terem a solidão que queriam, mas, de repente, exalarem contagiosa saudade daquelas pestes.

O jeito é esperar. Qualquer hora podem nos dar netos. O neto é a hora do carinho ocioso e estocado, não exercido nos próprios filhos e que não pode morrer conosco. Por isso, os avós são tão desmesurados e distribuem tão incontrolável afeição. Os netos são a última oportunidade de reeditar o nosso afeto.

Por isso, é necessário fazer alguma coisa a mais, antes que elas cresçam.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

8º mesversário de Kaio Sérgio

Ontem foi mais uma edição do mesversário de Kaio, meu sobrinho-neto. Pois é, já tenho sobrinhos-netos! Ele é filho da minha sobrinha, que é filha de uma das minhas irmãs por parte de pai. Meu pai era bem danadinho na juventude e gostou muito de fazer filhos (risos). Mas isso é assunto para outra hora.

O foco aqui foi a 8ª edição do mesversário de Kaio, que como os mesversários de Kamille, são momentos de muita descontração. Kamille AMA ir, reencontrar as priminhas e brincar até ficar suada e o abuso de cansaço e sono bater. Eu, particularmente, também adoro. Reencontrar pessoas queridas, papear até dar uma dor na língua e comer. Comer bastante, pois são tantas delícias.

Esse mês levamos nossa câmera e tiramos algumas fotinhas, que servirão para guardarmos esse momento na memória. E que venham os outros 4 mesversários!

Parabéns, Kaio!!
Titia e Kamille te amam!!!

Esse bolo não tava gostoso normal não, viu?

Kaio e os papais.

Um hominho de 8 meses!

Amo!

AMO!

Kamille sendo babada pelas priminhas Marianny e Nathália.

É um xodó com essa prima!


Ah, viram a carinha da minha pequena? Ela tava meio morocoxó. Com alergia. Acredito ter sido devido a madrugada fria que ficamos em claro, pois ela não estava assim antes. Já estou administrando o Decongex... e o Redoxon.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

E nessa casa tem goteira, pinga ni mim...

O título da postagem parece até que estou remetendo a adaptação do quarto de Kamille para um quarto montessoriano, como tenho lido ultimamente no blog da Alanis e da Cris. Depois falo melhor desse tipo de quarto aqui. Bem, o fato é que no meio desta madrugada ficamos sem cama. Ficamos porque Kamille ainda dorme conosco: quando não é no meio, é no cantinho da parede, com todos os cuidados para não ficar encostada na parede.

Pois bem, depois de alguns dias, eu fui dormir no canto e ela ficou no meio... e parece que eu tava adivinhando, pois na madrugada sonhei chovendo em cima de mim. Abri os olhos e vi que não tinha condições de estar chovendo, por estar dentro de casa. Mas continuei sentindo os respingos. Acordei o marido e disse que tinha uma goteira. Mas como se a casa é de laje e ainda tem o gesso?

Acontece que no dia anterior ele havia aberto a caixa d'água com o registro da rua aberto, e não lembrava. A caixa encheu e vazou tudo. Ficamos com medo que o gesso estivesse cheio de água e o teto desabasse sobre nossas cabeças. Imediatamente tirei Kamille da cama, enquanto o marido foi fechar o registro. Quase que instantaneamente parou de pingar. Entretanto, por precaução, fomos dormir na sala, uma vez que o quarto de Kamille é muito aperto e não cabe o colchão.

Na nossa sala já tem um colchão 24h por dia, que Kamille usa para assistir seus vídeos e desenhos. É um colchão de solteiro (de quando papai era solteiro... e já aguentou rojão, viu?), e foi pra lá que levei Kamille. Papai ficou na rede, também na sala. Mas mera ilusão achar que voltaríamos a dormir, pois Kamille despertou e nada mais fez com que ela dormisse.Resultado: estamos acordados desde às 4h da manhã, sem pregar o olho até essa hora.

Tô morta, cansada e irritada. Quer me ver mais estressada que o normal é mexer com meu sono. Mas a tarde chegou, vou dar um banhozinho em Kamille e capotar junto com ela... e dormir a tarde toda. E mais tarde tem mesversário de Kaio, meu sobrinho-neto. Finalmente vou poder voltar a tomar refrigerante, depois de um ano! \0/


E só pra terminar o post de hoje, vou contar uma peripécia da pequena, agora de manhã:
Kamille brincando enquanto eu preparava seu banho matinal e de repente ela chamou: Mamãe, mamãe! Quando ela me chama é porque está em apuros. Vou no seu quarto e não a encontro, procuro no banheiro, no meu quarto e nada! E escuto, de novo, sua voz me chamando. Depois de olhar ao lado do guarda-roupa, da cômoda e do berço, eis que a descubro debaixo do berço sem conseguir sair. E mais, ainda tinha dado uma mijada no chão.

Na mesma hora me explodi de rir. Essa menina...

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Contagem regressiva...

Ontem nossa princesinha completou 1 ano e 9 meses... o que quer dizer que falta menos de 3 meses para completar 2 aninhos. A essa altura do campeonato, ano passado, eu já estava com toda a festa idealizada, planejada e quase toda paga. Esse ano, não resolvi muita coisa ainda, mas desde semana passada tô pegando gosto pela coisa.

O tema, como não poderia deixar de ser, será da Galinha Pintadinha, que é uma febre aqui em casa. O local será na nossa casinha mesmo, uma vez que não será festão como ano passado. Decidimos (eu e o marido) que faremos uma festinha simples e convidaremos apenas a família e alguns amigos mais próximos e ainda dando preferência aos que têm crianças. 

Inicialmente pensei em fazer nas cores azul, rosa e amarelo, mas como ano passado teve muito rosa, decidi ficar com as cores tradicionais, focando o azul e o vermelho. Aluguei o material de decoração como mesas para bolo, para doces, cristaleiras, caixa de presentes, bandejas, etc. Quem vai fazer a decoração será a própria mamãe aqui que nem gosta de mexer com festinhas, né? AMO. Ainda não resolvi a decoração com balões, mas em breve resolvo. Ah, junto com a decoração, aluguei um pula-pula pra Kamille - que AMA pula-pula - poder se esbaldar em sua festinha.

O resto, que apesar de ser uma coisa simples, não pode faltar, vou agilizando aos poucos, mas quero que no mínimo 30 dias antes esteja tudo em ordem, para no dia aproveitar apenas a festa, como ano passado. Esse ano os garçons será a família. O bolo quero de 2 andares, apesar que vi um lindo de 3 andares, mas será grande demais para a quantidade de pessoas que chamaremos. Quero fazer uns docinhos personalizados... e os demais, como brigadeiros tradicionais, eu mesmo vou fazer. Os salgados dá muito trabalho fazer em casa, então encomendarei, para evitar a fadiga... (risos).

Não farei tantas lembrancinhas personalizadas como ano passado. Vou ver se consigo resumir tudo em apenas marmitinhas, bolinhas de sabão, bisnagas de brigadeiro e algumas caixinhas. Ah, uma coisa bem legal que desde ano passado eu queria alugar é a cascata de chocolate. Já estou pesquisando preços e se couber no orçamento, vou colocar.

Quero essa semana já comprar algumas coisinhas para ir fazendo as caixinhas e não deixar pra última hora, que acaba ficando mal feito. É isso...

E falta 89 dias para o niver da minha filhota!

domingo, 23 de setembro de 2012

21 meses;;;

Parabéns, minha filhota, pelos seus 1 ano e 9 meses de vida.
Que Papai do Céu continue a te abençoar, sempre!
TE AMOOOO!!




sábado, 22 de setembro de 2012

Dia das Crianças chegando...

O dia mágico está chegando e a mamãe aqui já começou a matutar o que dar de presente para essa princesa, que merece muito. Há uns 15 dias atrás ela se encantou com um viadinho de plástico da amiguinha dela - Maria Clara. Mas, pelo andar da carruagem, acho que vovó Maria vai dar um de presente, então vamos aguardar.

Fotinha tirada ontem de manhã, enquanto, mais uma vez, ela se esbaldava no brinquedo.

Outra coisa que ELA MESMO não para de pedir é a Barraquinha da Galinha Pintadinha. Talvez por eu abrir muitas cpos da GP aqui no note, sempre que abro o google, aparece as ofertas da barraquinha na lateral esquerda. E ela diz: "Painha, pompa?" Pedindo pro pai comprar. É lindo de morrer, ooops, de viver!

E entre as coisas que ela está precisando são várias, mas acho que criança, principalmente no seu dia, TEM que ganhar brinquedo, que é o que mais as interessa. Vamos pra frente e ver o que me decido. Quero algo além de bonecas, que ela já tem coleção. Quero algo interativo e que estimule ainda mais o desenvolvimento dela. E que ACIMA DE TUDO ela adore.


sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Tagarelinha

Há tempos que eu queria fazer um post aqui falando sobre o desenvolvimento de Kamille, mas ela vem se desenvolvendo numa velocidade tao grande que algumas coisas passarao despercebidas... e a memória também é falha, né?

Desde seu aniversário de 1 ano, quando Kamille ganhou "O bolachinhas" - é assim que o chamamos por causa das musiquinhas que o brinquedo canta ( 1. "Bolachinhas vou comer, comer, vou crescer. Bolachinhas vou comer e crescer". 2. "Se você quer bolachas pegue aqui então, várias fominhas e muita diversão. Como é gostoso comer bolachinhas, pegue-as também na sua lancheirinha".) - que ela começou a desenvolver mais assiduamente sua coordenação motora, encaixando as forminhas em cada lugar certinho.

Depois, com a galinha pintadinha, começou a aprender as cores e hje já sabe dizer e distinguir perfeitamente as cores azul, vermelho, verde e amarelo. Com Dora Aventureira está aprendendo a contar e já sabe dizer sozinha de 1 a 5, depois disso pula pro 8 e depois o 10... e depois o 6, 9 ,7, tudo aleatoriamente. 

No geral, ela está uma tagarelinha e fala TUDO. É muito bom... estamos ficando cada vez mais amigas. Ela é super carinhosa e do nada nos abraça e nos beija. Faz carinho, alisando a mão.

Ai, cada vez mais me apaixono por minha filha.Tagarelinha

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

A saudade do papai e mais passeio!

Sexta-feira passada o papai saiu cedinho e viajou à trabalho para João Pessoa, só voltou no sábado à noite. Passamos esse período na casa de vovó Maria, mas quem foi que disse que a saudade não bateu? Primeiro na mamãe besta aqui. A última vez em que ficamos tanto tempo separados foi no falecimento da titia Alanilde e papai e vovó Lourdes tiveram que voar até o Espírito Santo. E naquela época mamãe chorou feito litros de lágrimas.

Dessa vez não chorei, mas fiquei com o coração apertado. E olha que o papai tava aqui bem pertinho, apenas 120Km. Kamille sempre falava com o pai por telefone e quando perguntávamos onde ele estava ela respondia: Baiá (trabalhar)! Quando o papai chegou na noite do sábado foi só carinho e atenção. Muitos beijinhos e abraços. E o melhor foi no domingo, dia 16...

Papai nos levou a um restaurante numa fazenda em Galante. À beira de um açude enorme, rede, comida deliciosa, muitos bichos. Estamos encantados até agora com o passeio. Andamos de Jeep, numa trilha. Uma aventura das boas, como há muito tempo não fazíamos. AMAMOS TUDO... e apesar de atrasada, eu tinha de registrar aqui. 

Algumas fotinhas do passeio para registrar esse momento tão agradável:

Curtindo a natureza.

Louquinha pra correr atrás dos patos.

Com preguiçinha, na rede.

Fazendo pose pra foto, junto com mamãe.

Minha menina faceira.

AMANDO andar de cavalo.

Papai dirigindo o Jeep.

Uma aventura e tanto.

"Alguém aí quer dar um passeio comigo?"

Agradecendo à Nossa Senhora Aparecida pelo domingo maravilhoso.

Rede gostoooosa!


E que venham mais passeios assim. Ficaremos sempre muito agradecidas.
E a próxima vez que voltarmos aí será com Mellyssinha, tia Heidi, Tia Helenaide e os demais, não é??

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Arara City - 2012

Todo ano, no feriado da Independência, vamos para Arara, uma cidade a mais ou menos 60km de Campina e é a cidade da minha mãe e onde mora toda sua família, com exceção de alguns que moram em Sao Paulo. Era a cidade dos meus avós maternos. Nessa época do ano, eles fazem a festa de padroeira, comemorado no dia 08 de Setembro. Esse ano foi melhor pois o feriado do dia 7 caiu justamente na sexta e pudemos aproveitar mais.

Nos últimos 4 anos, ficávamos na casa de um casal de amigos, Adeilza e Michell. Mas esse ano, um tio da minha mãe nos cedeu a casa pra ficar. Na casa nao tinha nada, mas assim mesmo foi ótimo. Levamos colchões, redes, microondas e tudo se resolveu.

No dia 08 fomos ao sítio em que mora minha tia Neta e ficamos por lá até a hora da procissão começar. Infelizmente só deu pra eu pegar o finalzinho da issa, que foi linda! Os fogos, então.... Kamille ficou encantada!

Mas, encantada mesmo ela ficou com os parques... e não queria sair deles.
Voltamos no domingo à tarde, para aproveitar e descansarmos um pouco.
Voltei meia arriada... e ontem adoeci. Gripe, febre e dores no corpo... Mas vou ficar bem.

Olha algumas fotinhas do nosso passeio:












 

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

"Criança não devia adoecer!"

"Criança não devia adoecer!"

Essa foi a frase dita por Alan na tarde de ontem, quando Kamille tinha acabado de levar uma furada para colher sangue e realizar alguns exames. E não é que concordo plenamente? E não falo isso apenas por estar na pele de mãe não. Pai e mãe sofrem e muito por se sentirem impotentes diante o sofrimento dos filhos, mas a criança, com certeza, sofre mais. É um serzinho tão frágil, tão delicado. Algumas ainda nem falam...

Kamille já fala de tudo e agora é mais fácil identificar alguns sintomas, como quando está com dor de cabeça, ela diz: "Mamãe, becinha, dodói!". E isso já basta para entendermos o recado... O sofrimento é mútuo e acaba nos desgastando por demais.

Desde cedo, ao deduzir que Kamille precisaria colher sangue para o exame, Alan passou o dia sem comer nadica de nada, sofrendo por antecipação. Entendo ele perfeitamente, mas apesar de tudo, eu sou mais de agir. Ainda que, mais tarde, no meu canto, desabe toda a minha "dureza" em lágrimas. E assim foi!

Kamille, ao contrário do que imaginávamos, se comportou direitinho. Não gosto - E DETESTA - quando a enfermeira segurou o bracinho. E tenho quase certeza que foi APENAS por isso que ela chorou, pois quando a agulha já estava dentro e a enfermeira desatou a liguinha ela até que calou e ficou com aquele chorinho de manha. E quando a outra enfermeira veio com 3 bexigas pra dar a ela, logo abriu um sorriso. Minha filha é muito forte!

Hoje, cedinho, fomos fazer o Raio X do Peito. Dessa vez papai não pode ir e fomos nós duas enfrentar a Clínica Drº Wanderley que já estava completamente lotada. Pegamos uma ficha prioritária e logo fizemos a fichinha. Tivemos que esperar um pouco e percebi que gentileza não faz parte do povo de Campina, infelizmente. Ninguém nos cedeu o lugar para sentar. Uma mulher com criança de colo, doente a abusadinha, tendo que ficar se balançando de um lado para o outro. É assim...

Ainda bem que logo fomos chamadas para bater o Raio X e a Radiologista, muito competente e profissional, soube acalmar Kamille, que começou a chorar assim que entrou na sala. Ela disse que ia tirar uma foto e perguntou se Kamille queria sair bonita. Kamille riu e disse que sim... e fez até pose. Maaaas... na hora de levantar braços e segurar pernas, ela chorou. Ela ODEIA quem a segura firme. Traumas da fisioterapia respiratória! Lá dentro foi rápido e logo fomos liberadas. A demora maior foi esperar papai nos pegar, pois ele estava ocupado. Mas deu tudo certo. De lá fomos para a casa da Dinda e por lá almoçamos.

Kamille passou o dia sem febre, mas ainda meio manhosa.
O resultado do exame de sangue saiu, mas a pediatra precisava do resultado do raio X para fazer a medicação certa. O resultado do raio X só saía na segunda, dia 10, mas ao explicar o caso, liberaram antes. E assim deu: Kamille está com a garganta inflamada por bactéria. Vai tomar Velamox de 250g por 8 dias. E assim VAI ficar boa, em nome de Jesus.

O post ficou grande, mas precisava relatar o que aconteceu esses dias.
Espero no próximo post, voltar com outro assunto que não seja doença.


quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Batizado - As lembrancinhas

Para que os familiares levassem para casa um pedacinho da festinha e assim pudessem lembrar sempre do Batizado de Kamille, com a ajuda do meu irmão, fiz algumas lembrancinhas, que modéstia à parte ficaram lindas. Améi tudo e estou aqui apara compartilhar e quem sabe inspirar ideias para outras mamães:

Potinhos acrílicos recheados com balinhas.

Pirulitos decorados.

Latinha mint to be com vela aromattizada.

Frasquinho de água benta com mini-terço.

Marcador de livros


Gostaram??
Se tiverem interesse em encomendar é só contatar através do email: paraisoencantado2@hotmail.com.

E se quiserem conhecer melhor o nosso trabalho é só seguir:




Bebê dódoi de novo! O que fazer?

Enquanto me distraio por segundos, ela me apronta uma dessas. Fotinha tirada ontem, comendo banana e assistindo o desenho UmiZoomi.


Não sei o que está acontecendo com a imunidade de Kamille, pois não faz nem 15 dias que comentei que ela havia estado doente, com febre e tudo o mais. Tudo bem, passou. Mas na madrugada dessa quarta-feira ela voltou a ter febre. Procurei no nosso histórico cotidiano um motivo para justificar essa febre e não encontrei.

Foi quando o pai dela falou que poderia ser a imunidade baixa. E ontem nós fomos lá onde minha mae trabalho e ela teve contato com Clarinha, menina de 2 anos, que vive por lá. Será que foi isso? Contato com a outra criança? Tomara que seja apenas isso mesmo, pois aí ela vai começar a tomar o Kaloba e esse quadro vai se reverter.

Tô com medo de que seja algo mais sério, tipo uma infecção!

Em todo o caso, amanhecemos o dia ligando para a pediatra que nos pediu que a levássemos Kamille agora à tarde lá para ela examiná-la. Vamos fazer isso. Depois volto com mais notícias!

Mais tarde tem mais um post sobre o batizado dela. Dessa vez sobre as lembrancinhas.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Batizado - A comemoração

Por se tratar de um dia tão especial e importante para nós, cristãos, não poderíamos deixar que essa data passasse em branco e para isso tínhamos que comemorar. De início, devido a uma grande redução de gastos, pensamos em fazer apenas uma feijoada e cerveja, mas isso se transformou em feijoada, almoço, churrasco, cerveja, whisky e tantas outras coisas.

Kamille ganhou um bolo lindo da prima Karol, fiz docinhos, lembrancinhas... e com a ajuda do meu irmão a festa se tornou um festão. Tudo muito simples, mas feito com muito amor. Uma pena foi nao poder chamar os nossos amigos de sempre. Nos restringimos apenas à família, que por sinal já é enorme, né? Mas foi bom... e deu pra aproveitar bastante.

E assim ficou a mesa que preparamos:


Tia Déa e Danillo.

Vovó Maria e Titio Massilon.

Vovó Maria e Bernadete.

Padrinho Moisés e Madrinha Priscila.


Tia Dri e Tio George.

Neta.

Tia Alaneide.
Prima Arukya.


Nidja e Tia Heidi.

Tio-avô Nilton e Tia-avó Hilda.

Vovó Lourdes e Tia-avó Hilda.

Priminhos Karol, Kaio, Natália; tio Miltinho e Tia Cida.

Patrícia e Tony.