quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Primeira semana de uma nova vida!


A razão da minha vida!
Hoje está completando 8 dias que a minha princesinha veio ao mundo. Queria ter podido passar aqui antes para relatar tudo o que vivemos até aqui, mas é que o tempo está realmente escasso. Desde o dia 23 que venho vivendo uma nova vida, cheia de descobertas e aprendizagens, de choros e alegrias. Choros sim! Quem pensa que vida de mãe é fácil engana-se. Tem hora que bate um desespero, uma impaciência que só Deus para nos dar serenidade e sabedoria para sair de tal situação.
Bem, vou tentar relatar tudo o que vivemos até aqui... perdão se não ficar bem explicado e algumas coisas sem nexo, mas é que estou aproveitando que Kamille está dormindo para escrever.


Última foto com barrigão, tirada minutos antes de ir pro centro cirúgico.

Relato do parto

Ainda meio sem acreditar que já sou MÃE, estou aqui, oito dias depois de ter concebido a maior riqueza da minha vida, para deixar registrado o momento mais feliz que já vivi. Apesar de estar esperando Kamille chegar até o dia 24 de dezembro, meu mundo mudou a partir das 11h30min da quarta-feira, dia 22 de dezembro, quando entro na sala do meu GO para a última consulta e ele me diz: “Prepare as malas que Kamille chega amanhã!
Fiquei muda! Como assim?! Como ele sabia que seria amanhã se estávamos esperando o Parto Normal (PN) até o dia 24?! E caso contrário, a cesárea seria no dia 24 mesmo. Então ele começou a me explicar: no dia 24 toda sua equipe estaria viajando para passar Natal com a família. Ele estaria na cidade, mas a anestesista e a neonatologista não, então, por causa de um dia, ele preferiu antecipar o parto e fazer no dia 23 cedinho. Saí do consultório radiante, para terminar de ajeitar tudo para a chegada da minha princesa.
Quando fui dormir passava das 23hs e juro que pensei que não conseguiria pregar o olho, de ansiedade. Mero engano! Encostei a cabeça no travesseiro, recomendei minha vida e a da minha filha à Deus e dormi. Caí feito uma pedra e só acordei uma única vez para fazer xixi. Acordamos [eu e meu marido] às 4h30min, arrumamos as coisas no carro, pegamos minha mãe, depois minha sogra e fomos para a maternidade. Chegamos lá às 5h30min e fui imediatamente para o apartamento me trocar e seguir para o centro cirúrgico. Confesso que não estava nervosa, apenas um pouco tensa. Minha família estava mais nervosa que eu e quando eu fui para o centro cirúrgico meu esposo se trancou no apartamento da maternidade e começou a chorar... o bichinho! Ele não teve coragem de assistir ao parto. A gente corria o risco de os médicos terem que parar o procedimento cirúrgico para acudi-lo... ele é mole pra essas coisas! Mas minha amiga Jordania assistiu tudo e filmou esse momento lindo!
Já no centro cirúrgico fui atendida por uma equipe ótima, melhor impossível. A enfermeira era um amor de pessoa e ficou o tempo todo me tranquilizando. A única coisa em que padeci foi na hora da anestesia (eu e o meu medo de injeções!). Na hora em que a anestesista começou a aplicar eu me contorci pela surpresa da picada e acabei levando um "carão". A anestesista me tranquilizou, pois eu estava muito tensa, mas muito tensa meeeeeeeesmo! Comecei a rezar uma Salve Rainha, pedindo que Nossa Senhora me ajudasse... quando terminei a médica me mandou deitar: não senti nadica de nada quando ela novamente enfiou a agulha, graças à Deus.
Comecei a sentir minhas pernas esquentarem e adormecerem... senti os médicos pressionarem meu ventre, foi quando a anestesista (que não saiu um só segundo do meu lado) disse que Kamille estava quase nascendo. Menos de um minuto depois eu escuto o choro mais lindo desse mundo: minha filha tinha nascido. Não segurei as lágrimas e também comecei a chorar... mas não era um chorinho, erão um chorão, um berreiro mesmo, como se eu estivesse com uma dor enorme... comecei a soluçar.
Vi a pediatra passando de um lado para o outro com minha filha e eu doida, seguindo com os olhos: era um tal de limpa-limpa, de pesa-pesa... e minha aflição aumentando e o choro também. Quando vi a carinha dela foi a emoção mais linda que já vivi... aí foi que chorei mesmo, meu coração começou a palpitar mais forte. Tenho nem palavras para descrever a sensação... acho que só quem já é mãe sabe do que estou falando.
Quando levaram minha pequena para o berçário a anestesista novamente veio ter comigo e disse que como eu estava muito afobada iria aplicar um calmante no soro para me tranquilizar: eu iria adormecer e ao acordar já estaria no quarto. Concordei, mas quem disse que o tal calmante surtiu efeito? A não ser que tenha feito o efeito contrário, pois fiquei mais do que ligada. Vi tudo... 
Ao chegar no quarto que não vi Kamille fiquei meio que nervosa (eu morria de medo que trocassem ela na maternidade, heheheh). Pedi a minha mãe que fosse atrás dela e quando menos espero meu esposo entra com ela nos braços. Ufa! Que alívio! Minha filha tava ali, nos braços do pai... dormindo feito um anjo! Me tranquilizei e tentei dormir. Mas quem disse que consegui? Eu estava meio grog por causa do efeito da anestesia e do calmante, mas mesmo assim tagarelava sem parar... sempre levando bronca da família e das enfermeiras, pois segundo eles, eu não poderia falar, caso contrário, me daria fortes gases. Mas o que acontece é que eu não conseguia segurar a língua... e quando as visitas começaram a chegar então... foi que não consegui meeeesmo!
Só vim apagar mesmo depois das 23h30min, aí sim, dormi feito uma pedra.
 Tivemos alta no dia 24 à noite. O nosso GO foi bonzinho conosco e nos deixou ceiar em casa. 

Primeira noite em casa

Apesar de ser Natal e de eu já estar com minha bebê em casa, não foi tudo tão maravilhoso como esperava, pois passamos a noite em claro com a Kamille, e por dois motivos: primeiro, o leite estava dando trabalho para sair; e segundo, ela estava tendo cólicas terríveis e que nada passava. Para mim, marinheira de primeira viagem, aquilo estava sendo um tormento! Ver minha bebê sofrendo e eu sem conseguir fazer nada. Quando conseguimos pregar o olho passava das 6h da manhã. Vencemos essa etapa. Nos demais dias tudo correu bem!

Vacinas

Na segunda-feira (dia 27) fomos dar a vacina BCG e contra a Hepatite. Percorremos todos os postos perto de casa e sempre recebáimos a mesma resposta: "Não estamos autorizados a aplicar em recém-nascidos!" Como não se essas são vacinas essenciais para um recém-nascido?! Depois de andarmos muito, o sol já bastante quente, descobrimos que dois lugares onde estavam habilitados a aplicar a vacina: a maternidade do ISEA e a antiga Casa de Saúde Dr. Brasileiro (não sei o nome hoje!). 
Seguimos para a antiga Casa de Saúde Dr. Brasileiro. Ao chegar lá passava das 11h da manhã e já tinha terminado o expediente da manhã. Fomos para o ISEA, recebemos a mesma resposta. Voltamos para casa frustrados!
No dia seguinte (dia 28) saímos de 7h de casa e fomos para a antiga Casa de Saúde Dr. Brasileiro. Mais uma decepção: a enfermeira de plantão nos disse que ela não estava habilitava a fazer a BCG, pois não era todo mundo que a aplicava. E pior! Ainda escutamos uma outra enfermeira (bem novinha e mais parecia uma estagiária) dizer que SE A GENTE QUISESSE ela aplicava. Fiquei indignada!! A raiva subiu à cabeça e só não disse umas coisas porque meu esposo me acalmou. Quem elas pensavam que eram??? Uma DESabilitava no serviço e outra que achava que minha filha era qualquer coisa e queria aplicar sem a devida experiência. Como se Kamille fosse uma cobaia... e o que desse, daria e pronto!
Seguimos então pro ISEA, finalmente dessa vez tinha alguém de plantão e habilitada a fazer as aplicações. Minha filha agora está devidamente vacinada.

Teste do pezinho e do olhinho... e furo da orelha!

Ontem (dia 29) fomos fazer o teste do pezinho. Kamille chorou bastante, mas graças à Deus só foi preciso dar uma furada. Segundo  menina que colheu o sangue, às vezes é necessário fazer mais de um furo para conseguir o sangue necessário para completar os círculos. Depois seguimos para o Oftamologista (recomendado pela pediatra), um senhor de idade que demonstrou muita sabedoria e experiência, além de uma simpatia sem igual.
Apesar de o SUS dar esses testes, resolvemos fazer particular (pelo plano de saúde), pois ainda não estou em condições de andar muito por causa da cirurgia... e mesmo podendo deixar isso a cargo da minha mãe ou da minha sogra eu não quis. Quero participar de cada etapa da vida da minha filha!
Ahh, depois disso ainda passamos na farmácia e furamos a orelhinha dela. Agora sim... devidamente de brinco... a coisa mais fofa que mãe já viu! Segunda faremos o teste da orelhinha e minha filha estará em dias com as obrigações de recém-nascido!


Estou cansada, quebrada, me sentindo um bagaço... mas feliz! Apesar de me sentir assim, quando paro e vejo minha filha num soninho angelical me bate uma felicidade enorme, uma sensação de dever cumprido, de alívio. Agora, mais do que nunca, entendo o real significado da frase/ditado: 
SER MÃE É PADECER NO PARAÍSO!!

Por hoje é só... isso tudo!
hehehheheheh

2 comentários:

  1. Seu presente mais lindo de Natal. Muita saúde pra Kamille. bjs

    ResponderExcluir
  2. Seu presente mais lindo de Natal. Muita saúde pra Kamille. bjs

    ResponderExcluir

Eu e Kamille vamos adorar seu recadinho!!